Antes de tudo, vou avisar que teremos uma participante nova. A Dani logo volta, mas para o blog não ficar repetitivo a nossa migs Nanda entrará! Aliás, se alguém quiser mandar alguma resenha de série, fique à vontade, viu? Posto com créditos e tudo mais (mmechanel [@] gmail.com).

Agora vamos com meu Top 5 de aberturas de série:

1) Dexter

AMO essa abertura, acho tão bem feita! quando comecei a ver Dexter ficava com uma larica louca por causa do monte de comida e fritava ovo tips, meia noite! HAHA Teve uma vez que falei o quanto gostava dessa abertura no twitter, e a Rô atentou ao fato que o Dexter faz a barba, mas no final aparece com a dita cuja cerrada no rosto! haha oops! mas perdoamos, porque mesmo assim é foda!

Continue lendo »

sex, wine and weed (e muse ali do lado)

Já vi a primeira temporada inteira de Bored to Death e digo que estou ansiosa para a segunda. A Dani já falou da série aqui, mas vou fazer breves comentários:

– não julgue BtD pelo piloto, por favor! É super fraco e sem graça em comparação aos outros episódios. Mesmo que você assista o piloto e não goste, NÃO DESISTA;

– Ted Danson está perfeito como George. ele dá um charme maduro na série e tem um humor fino como poucos (a cena dele chapado foi deveras divertida);

– Humor fino – no meu entendimento define a série;

– Zach Galifianakis (do “Se beber, não case”) também está excelente. É aquele amigo meio desligado, mas muito parça;

– Na real, quem está mais apagadinho é o Jason “puppy face” Schwartzman. porém, gosto mesmo assim. você sente VA eterna dele e do Ray (Galifianakis);

– As namoradas dos meninos são bem chatas, acho que é tipo contraponto mesmo. são as típicas namoradas que querem moldar o cara etc. e elas exageram MUITOOO. eu não terminaria com alguém porque ele fuma maconha ou bebe vinho branco. mas eu sou gente boa, né? hahaha;

– Toda vez que chamam o Jonathan (Jason) de big nose, dou uma risadinha interna;

– Tem participação do Jim Jarmusch (nice hair, mr.), Parker Posey etc;

– Tocou Lull, do Andrew Bird no piloto. Pessoalmente gostei demais. aliás, a trilha sonora é bem bacana. a música da abertura é o Jason quem canta, escutem a banda dele Coconut Records (brilha muitcho também, sempre gostei);

– E, last but not least, link para puxar aqui.

* gostou do poster ali em cima? aqui tem todos bonitinhos
** sim, eu tive que entrar no imdb para escrever corretamente o sobrenome do Zach e do Jason, haha!

schwartzmanboredtodeath

Uma das novidades dessa temporada que eu curti bastante foi Bored to Death. Produzida pela HBO, a série é uma comédia noir sobre um escritor que, após levar um fora da namorada, decide dar uma de detetive particular. Jonathan (Jason Schwartzman) mora no Brooklyn, já publicou um romance mas está com o seu segundo trabalho empacado, bebe vinho branco demais, fuma maconha demais, e pra espantar o tédio depois da namorada ir embora, posta um anúncio no Craig’s List. Seu melhor amigo Ray (Zach Galifianakis) desenha histórias em quadrinhos, e seu “chefe” George (Ted Danson) é um artista já passado da meia-idade.

Pra comentar melhor o primeiro episódio, só com spoilers. Então, pare de ler aqui se você gosta de surpresas e ainda não viu o piloto.

Bored-Death-tv-08

O nome do episódio “Síndrome de Estocolmo” tem a ver com o primeiro caso que Jonathan pega. Uma universitária entra em contato pedindo ajuda para encontrar a irmã, desaparecida há alguns dias. Ela suspeita que o namorado da irmã a tenha sequestrado. Jonathan começa a sua investigação e, depois de gastar mais do que esperava com suborno para obter informações, encontra o casal. A moça desaparecida havia terminado o namoro e o cara decidiu sequestrá-la e mantê-la refém até que ela se apaixonasse por ele de novo. Ele tentou recriar a tal Síndrome de Estocolmo a força. Daí a polícia chega, prende todo mundo e um policial dá uma mijada no Jonathan. Como assim ele resolveu cuidar de um caso sem nem ser detetive licenciado? Mas óbvio que ele não tá nem aí, ignora o conselho e continua pegando casos. Afinal, não fosse assim, a série acabaria logo no começo.

boredtodeath1

O adjetivo “noir-rotic” que tem sido usado pra divulgar Bored to Death combina muito. Todos os personagens são extremamente neuróticos. Mas isso faz parte do humor dos judeus. Então não poderia ser diferente. Woody Allen tá aí e não me deixa mentir. A série já tem oito episódios previstos até o fim de novembro. Mas HBO é assim mesmo, temporadas mais curtas que as das outras redes. E é por isso que as séries deles costumam ser melhores. Não dá tempo de ficar enchendo linguiça com milhões de sub-tramas.  Domingo tem mais!

Adendo: Esqueci de falar que a abertura é ótima!